Regimentação para CONVENÇÕES ESTADUAIS CONADEOM

Em reunião deliberativa da mesa diretora da CONADEOM, fica estabelecido aqui os regimentos para convenções estaduais da CONADEOM.

Transcrição dos artigos do estatuto social:

Seção II do estatuto social da CONADEOM

DAS CONVENÇÕES ESTADUAIS

Artigo 8º. A CONADEOM poderá estabelecer convenções estaduais, subordinadas à presidência e mesa diretora da CONADEOM.

Artigo 9º. A CONADEOM tem como vinculadas as Convenções Estaduais, cujos membros, sem distinção de nacionalidade, raça e cor, nascidos e definidos biológica e naturalmente, do sexo feminino ou masculino, são representados por seus Ministros (Apóstolos, Apóstolas, Bispos, Bispas, Pastores, Pastoras, Evangelistas, Missionários, Missionárias, Presbíteros, Presbíteras, Diáconos, Diaconisas),   devidamente credenciados pela CONADEOM.

Artigo 10º. A CONADEOM reconhece, inscreve e referenda as Convenções Estaduais de acordo com o crescimento do trabalho, observadas as normas estatutárias e regimentais.

§ 1º. Haverá uma única Convenção estadual ou regionall em cada Estado, exceto nos Estados da Bahia, do Pará e Amazonas devido suas extensões territoriais.

§ 2º. As Convenções Estaduais serão realizadas em lugares e épocas convenientes, sob a supervisão da Mesa Diretora da CONADEOM.

§ 3º. As Mesas Diretoras das Convenções Estaduais obedecerão ao mesmo critério adotado pela CONADEOM, quanto à eleição, mandato e posse, sempre sob a direção do Presidente da Mesa Diretora da CONADEOM, ou por expressa delegação;

§ 4º. As Convenções Estaduais não podem anular as decisões aprovadas pelas Assembléias Gerais da CONADEOM.

§ 5º. O Estatuto das Convenções Estaduais não será reformado “in partum” ou “in totum”, sem autorização expressa da Mesa Diretora da CONADEOM.

§ 6º. É permitida a Convenção Estadual reconhecer e consagrar Diáconos, Diaconisas, Presbíteros, Presbíteras, Evangelistas, Missionários e Missionárias, bem como os ministros de ofícios ministeriais reconhecidos e colocar em Prova Eclesiástica os eventuais candidatos ao Pastorado, bispado ou Apostolado.

§7. As convenções estaduais poderão ordenar e consagrar pastores e pastoras, e sacramentar bispos, bispas, apóstolos, apóstolas, com autorização prévia da CONVENÇÃO GERAL ou a presença de um membro da Mesa Diretora Geral.

§8. As convenções estaduais poderão credenciar com credenciais estaduais os seus ministros, com a supervisão da secretaria Nacional, e, obrigatoriamente requerer a Mesa Diretora Geral a credencial nacional.

 

REGIMENTOS PARA DIRETPRES ESTADUAIS – PERMISSÕES E VEDAÇÕES

O diretor estadual, também denominado ‘presidente estadual, poderá:

1.     1- Representar a CONADEOM em qualquer evento evangélicos dentro dos limites geográficos de seu estado. Ex. Café de pastores, congressos, cerimônias, atos públicos.

2.       2- Solicitar o desligamento de qualquer associado quando este, de fato, andar fora da ética, desobedecer regimentos estatutários da CONADEOM ou cometer atos de infração de ordenanças bíblicas, como por exemplo,  o adultério,  vício e roubo, ou falta de cumprimento em seus deveres convencionais, como a ausência não justifica em AGO ou AGE estaduais, não pagamento de anuidades, desacato a autoridade convencional.

3.    3- Receber honra como presidente estadual em eventos de igrejas associadas a CONADEOM.

4.          4- Ser presidente e preferencialmente informado de decisões da diretoria nacional.

5.       5- Nomear sua diretora estadual, com parecer final da diretoria nacional, evitando o proselitismo denominacional ou o nepotismo.

6.       6- Receber comunicação voluntaria dos representantes regionais em atuação no seu estado, sendo informado de eventos e filiações.

77         7- Estabelecer novos representantes regionais, com parecer da Mesa Diretora Geral, e levanto em conta os requisitos necessários para a nomeação de representantes regionais, que são:

a) ter igreja própria ou fazer parte de diretoria de igreja associada.

b) ter estado civil definido e comprovado.

c) Ser unicamente associado na CONADEOM, não pode fazer parte de outra convenção simultaneamente.

d) Ser respeitoso e comunicativo com o diretor ou presidente estadual e também com o presidente geral.

e) Ter ao menos 4 meses de a1 -ssociado e estar em dia, sendo participativo nas reuniões de AGO ou AGE estaduais e nacionais.

f) participar ativamente nos grupos oficiais da CONADEOM no WhatsApp e Telegram.

g) Declarar publicamente em suas redes sociais que e associado da CONADEOM.

      8- Exonerar qualquer representante regional que estiver descumprindo as regras da CONADEOM e que não estiver dando resultados.

A)   Exonerações serão supervisionadas pela mesa diretora geral, deverão ser comunicadas à mesa diretora ANTES de serem homologadas.

B)   Ao exonerar um representante regional, outro terá de ser indicado imediatamente.

C)   Exonerar um representante não significa exclusão ou desligamento do quadro de associados da CONADEOM. É apenas a perda de privilégios e poder de representação da entidade.

D)   EXONERAÇÃO DE REPRESENTANTE REGIONAL seguido de EXCLUSAO OU DESLIGAMENTO TOTAL DO QUADRO DE ASSOCIADOS DA CONADEOM, somente em casos extremos de deslealdade convencional ou não observação de princípios bíblicos.

9. Tanto os representantes regionais quanto os diretores ou presidentes estaduais terão alguns privilégios, os quais serão tratados e acordados a parte.

10. Está vedado ao diretor ou presidente estadual:

A- Interferir em quaisquer questões interinas de igrejas associadas, bem como em questões da vida pessoal dos associados;

B- Os líderes de igrejas poderão solicitar orientações e aconselhamentos aos presidentes estaduais, que dará sua assistência de forma assistida (gravar suas falas, ser imparcial, ser justo, e sempre comunicando a Mesa Diretora Geral.

C- Ministros associados poderão pedir conselhos aos diretores estaduais e aos representantes regionais, que darão sua assistência de forma assistida ( gravar suas falas, ser imparcial, ser justo, e sempre comunicando a Mesa Diretora Geral.)

D- Tanto representantes regionais quanto os diretores estaduais, deverão comunicar imediatamente a Mesa Diretora Geral quando forem solicitados a darem orientações e aconselhamentos, seja em caráter pessoal ou de igreja.

E- O Diretor ou presidente estadual deve saber que, ao exercer esta função, ele não esta ‘pastoreando ovelhas de sua igreja', onde ele detém poder de estabelecer seus usos e costumes e costumes demais regras internas. Como diretor ou presidente estadual, o ministro está liderando outros líderes, pessoas com diferentes pontos de vista teológicos e visões variadas. Por isto, o diretor ou presidente estadual não poderá, de forma alguma, arcar seus dogmas e crenças teológicas nas igrejas de outros associados.

 

11- o fornecimento de registro convencional será sempre responsabilidade da secretaria geral da CONADEOM.

12-  A emissão de credenciais estaduais será sempre minuciosamente supervisionadas pela secretaria Geral e pela presidência Geral da CONADEOM;

13- Credenciais, certificados, alvarás e atas nomeativas serão emitidos sempre pela SECRETARIA GERAL.

14- cartas de apresentação, cartão VIP-ESTADUAL, ( estilo credencial estadual) serão emitidos ou gerados pela convenção estadual com supervisão da secretaria geral, e terão de conter registro convencional e visto dos presidentes ( estadual e geral).

15- todo serviço prestado pelo presidente ou diretor estadual será VOLUNTARIO, porém, o mesmo desfrutará de privilégios e terá direito a gratificações relativas a seu trabalho e desempenho, conforme combinado a parte, e registrado em ata.

16- Todas ações do diretório estadual (cultos da convenção, reuniões, ordenações, nomeações, consagrações, empossamento de líderes, participação em eventos diversos como diretor ou presidente estadual da CONADEOM, terá seu registro em ata estadual.

17- um diretor ou presidente estadual não poderá interferir na jurisdição de outro estado.

A) poderá até filiar um associado em outro estado, porém, passará o novo filiado a jurisdição do outro diretor, e claro, a Mesa geral. Exemplo: o diretor no estado da Bahia poderá filiar alguém no estado do Rio de Janeiro, porém, deverá passar o recém-filiado a jurisdição nacional, que encaminhará a jurisdição daquele estado.

B) também não poderá intervir em nenhuma questão relativo a CONADEOM na jurisdição do outro estado, a menos que, munido de provas, esteja denunciando a gestão no outro estado por alguma irregularidade.

C) Somente é absolutamente o presidente geral e a Mesa diretora geral da CONADEOM pode interferir em qualquer jurisdição da CONADEOM.

 

18- Um associado da CONADEOM deverá estar subsidiado a jurisdição da CONADEOM em seu estado, não sendo possível que esteja em subsidiado em uma jurisdição de outro estado.

Por exemplo, um associado no Rio de Janeiro não poderá esta subsidiado à jurisdição da CONADEOM em SP ou MG, a menos que a sede de seu ministério esteja no outro estado.

(Exemplo: associado da Bahia está em missão no estado de São Paulo, sendo a sede de seu ministério no estado da Bahia. Neste caso, ele continua subsidiando a estadual na Bahia, mas deverá respeitar a direção da jurisdição no estado de São Paulo, e participar das suas reuniões e eventos quando convocado.

19- Membros da diretoria geral da CONADEOM estão.acima.de qualquer jurisdição estadual da CONADEOM.

20- Os diretores estaduais deverão apresentar a sua diretoria estadual à mesa diretora, que aprovará ou não as indicações, e concedendo posse imediata.

a)    Diretorias estaduais serão simbólicas, sem efeito jurídico.

b)    A Mesa diretora geral poderá indicar membros para os cargos estaduais.

c)    Tantos os presidentes estaduais quanto sua diretoria estadual terá mandado de 18 meses, podendo ser renomeada pelo presidente geral ou estadual,. Bem como também qualquer membro da diretoria estadual poderá ser removido de seu cargo, a qualquer momento, pelo presidente geral ou estadual, caso descumpra as normas regimentais ou se torne inoperante, ou mesmo podendo ser atendido pedido de renuncia do cargo por parte do membro.

d)    As diretorias estaduais das convenções estaduais estarão sob o CNPJ GERAL E ÚNICO DA CONADEOM.

e)    Nenhum diretor ou presidente estadual ou membro de diretoria poderá fazer compras ou gerar quaisquer tipos de dividas em nome da CONADEOM ou seu CNPJ, e sem autorização previa do presidente e do tesoureiro geral da CONADEOM.

f)    O diretor estadual poderá usar a nomenclatura de PRESIDENTE ESTADUAL

Em casos não tratados nesta ata, poderá ser feita outras reuniões se novos acrescimentos, os assuntos aqui expostos foram aprovados unanimemente e não poderão ser revogados, embora poderão ser submetidos a novas discussões visando seu aperfeiçoamento.


Ao redor do mundo